Estamos no Facebook

ENCONTRO DE CURA E LIBERTAÇÃO

17 DE DEZEMBRO

terça-feira, 14 de novembro de 2017

A formação de um bebê no ventre materno em fotos incríveis

O fotógrafo Lennart Nilsson dedicou-se a registrar em detalhes impressionantes as várias etapas da gestação de um bebê.


Lennart Nilsson foi um fotógrafo sueco que passou cerca de 12 anos fotografando um dos momentos da vida humana mais impressionantes: a gestação no útero materno. O feito só foi possível porque na década de 50 ele passou a se dedicar a algumas técnicas de fotografia que permitiam a realização de extremos close-ups. Combinando isso ao uso de endoscópios extremamente finos, que passaram a estar disponíveis na década de 60, ele produziu imagens pioneiras de vasos sanguíneos e cavidades do corpo, feitas em pessoas vivas. Foi então que chegou ao seu principal objetivo, que era fotografar o início da vida, desde a fecundação do óvulo até próximo de seu nascimento.
O ensaio “A child is born” foi publicado pela revista Life em 1965, tendo uma das imagens como capa. Ainda, outras 16 páginas apresentavam o trabalho feito por Nilsson e naquele mesmo ano um livro foi lançado. Foi a primeira vez que detalhes do desenvolvimento humano puderam ser vistos por todos, com tanta clareza.  Em 2009, as fotos de uma gestação vistas “por dentro” ganharam retoques digitais para a quinta edição da obra.
Nilsson faleceu no início de 2017, aos 94 anos.
Veja algumas imagens de seu impressionante trabalho: 

Mulher dá à luz durante coma e conhece filho 13 dias após o parto

Cesariana de emergência foi realizada após a mãe sofrer um acidente de trânsito quando ia à sua última consulta pré-natal.

Kézia Fernandes Lemes só conheceu o filho Miguel 13 dias após o nascimento. Moradora da cidade de Arapoti, no Paraná, ela sofreu um acidente de trânsito no dia 25 de outubro, quando estava indo à última consulta do pré-natal, em Ponta Grossa. O carro em que ela estava foi atingido por um caminhão e, em estado grave, ela precisou ser internada.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

A homofobia é um pretexto para impor a agenda LGBT, alertam

Ludovine de la Rochère, presidente do movimento pró-família ‘La Manif Pour Tous’, explicou que a homofobia é um pretexto “para impor as reivindicações do movimento LGBT” que se aproveitam de uma falsa “igualdade e luta pelos direitos para prejudicar o significado do matrimônio e da família”.
‘La Manif Pour Tous’ (A Marcha para todos) nasceu na França em 2013 para manifestar-se contra os projetos que defendiam as uniões homossexuais e a adoção no período do presidente François Hollande.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Papa critica uso de celular entre fiéis e religiosos durante as missas

"Por que, a um certo ponto, o sacerdote diz 'corações ao alto?' Ele não diz 'celulares ao alto para tirar foto!' 

O papa Francisco disse nesta quarta-feira (8) que fica triste quando vê fiéis e até padres e bispos usarem o celular para fazer fotos durante a missa. A informação é da Agência EFE.
Na audiência geral, na Praça São Pedro, o pontífice falou sobre diversos temas e anunciou um novo ciclo de catequeses, depois da conclusão da série sobre a esperança na semana passada. Enquanto falava da importância de determinados aspectos na Igreja, ele usou uma metáfora para questionar o uso excessivo de aparelhos nas celebrações.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Mulheres que abortam são seis vezes mais propensas ao suicídio

Imagem referencial. Foto: Pixabay / Domínio público.
Um amplo estudo realizado pela Sociedade para a Proteção da Criança por Nascer do Reino Unido (SPUC, na sigla em inglês) revelou os graves riscos de saúde física e mental que as mulheres que se submetem ao abortoenfrentam, como o aumento da probabilidade de que cometam suicídio.
A pesquisa, encabeçada por Dr. Gregory Pike, médico pesquisador australiano do Adelaide Centre for Bioethics and Culture, recolhe trabalhos científicos realizados mundialmente e tem como título “O aborto e a saúde das mulheres”.
De acordo com a SPUC, entre as descobertas do estudo do Dr. Pike encontra-se que “o suicídio é cerca de seis vezes maior após o aborto do que após dar à luz”.
Além disso, “as mulheres têm mais probabilidade de morrer após um aborto em comparação a dar à luz”.
“O aborto está associado a taxas significativamente maiores de morte para as mulheres até dez anos após um aborto, em comparação a mulheres que dão à luz”.
Além disso, as mulheres que abortam se veem expostas a uma “dor significativa” três anos depois do aborto, assim como a 30% de aumento do risco de depressão e 25% de risco de maior ansiedade.

domingo, 29 de outubro de 2017

Sem querer, CNN argumenta contra a ideologia de gênero que ela própria defende

Tiro no pé não passou incólume pela observação e reação dos internautas

A rede de notícias norte-americana CNN lançou uma campanha na qual, involuntariamente, argumenta contra as falácias da ideologia de gênero que ela mesma propaga em sua linha editorial.
O vídeo foi criado para criticar a difusão de notícias falsas com finalidades ideológicas, as chamadas “fake news”, embora a própria CNN seja frequentemente acusada de enviesar os fatos e manipulá-los em favor da visão de mundo que procura promover, ligada à assim chamada “agenda esquerdista“.
Em sua conta no Twitter, a rede postou um vídeo que apresenta uma maçã e comenta:
“Alguns tentarão dizer que isto é uma banana. Eles poderão gritar ‘banana, banana, banana’ várias vezes e você até poderia começar a acreditar que é uma banana. Mas não é. Isto é uma maçã. A verdade primeiro”.

Caros assexuais, pangêneros, trans-humanos, inter*fêmeas e outros mais de 50 rótulos

Uma inusitada e politicamente correta saudação parlamentar e a pergunta que ela sugere: faz sentido?

Em 2014, o Facebook disponibilizou para os perfis dos seus usuários a possibilidade de escolher entre nada menos que 56 “identidades sexuais” em vez de “apenas” os “tradicionais” feminino e masculino.